Como a ergonomia afeta o ambiente físico das organizações

Ergonomia
Ergonomia

A ergonomia realmente funciona como opção à boas condições de trabalho?

Ao não oferecer um ambiente de trabalho condizente com as necessidades dos colaboradores, uma empresa pode afetar negativamente sua saúde.

Passar muitas horas, até mesmo mais do que com a família, no ambiente físico de seu trabalho, se tornou uma atividade comum para muitos profissionais.

Diante deste cenário, surge a necessidade de oferecer um ambiente propício não somente para realização das atividades profissionais, mas também para descompressão.

O que é a ergonomia?

Primeiramente precisamos entender do que se trata essa metodologia.

A ergonomia é o estudo da relação existente entre o homem e a maneira como executa suas atividades profissionais, e está presente na norma reguladora 17, mais conhecida como NR 17.

Este estudo visa a prevenção de acidentes, a correção de erros e a diminuição de riscos.

O foco principal é o aumento do conforto, da saúde e da segurança do trabalhador.

Sua visão e o foco são possíveis pois são consolidados através da análise da postura, dos movimentos corporais, dos equipamentos utilizados e os fatores físicos do ambiente profissional.

A integração perfeita entre as capacidades e limitações do colaborador, suas condições de trabalho e eficiência do sistema produtivo, são o triângulo de verificação da ergonomia.

Quais os tipos de ergonomia?

A ergonomia possui diferentes tipos de classificação, sempre considerando sua contribuição na análise do ambiente. As três principais classificações são:

Física

A ergonomia física cuida da relação entre as atividades físicas exercidas no trabalho e aspectos da anatomia humana, a fisiologia, a antropometria e a biomecânica.

Os pontos analisados neste tópico são, de que forma é realizado o manuseio de matérias, a execução de movimentos repetitivos, de que forma os postos de trabalho são projetados, distúrbios musculoesqueléticos e segurança e saúde do colaborador.

Focada em obter o melhor do desempenho humano nas tarefas executadas, a ergonomia física analisa as medidas do corpo humano, realizando uma classificação em biotipos.

E a partir desta classificação, parte para o dimensionamento de equipamentos, máquinas e ferramentas utilizadas no trabalho, encontrando assim equipamentos adequados a capacidade humana de operação.

Exemplo: avaliação se uma cadeira favorece a postura correta de um colaborador e se a movimentação para manipulação de um objeto é adequada ou não.

Organizacional

A ergonomia organizacional foca na otimização de sistemas sociotécnicos, ou seja, a inclusão das pessoas como parte inerente de um sistema.

Também está inclusa na análise as estruturas organizacionais, seus processos e suas políticas.

Os pontos mais importantes são, as comunicações, os trabalhos realizados em grupo, projetos participativos, trabalho cooperativo, organização em rede, cultura organizacional, organização temporal e gestão da qualidade.

Este tipo de ergonomia estuda e intervém, quando necessário, na cultura e clima organizacional.

Busca a adaptação das condições da empresa para preservação da saúde e bem estar do colaborador.

Exemplo: pode apontar mudanças no modo de execução da liderança.

Cognitiva

A ergonomia cognitiva é responsável pelos processos mentais que o ser humano utiliza na realização das atividades e quais seus efeitos sobre a interação com outros elementos de um sistema.

Raciocínio, resposta motora, percepção e memória são os destaques neste tópico.

Os pontos avaliados pela ergonomia cognitiva são: estudo da carga mental despendida no trabalho, tomadas de decisões, desempenho especializado em áreas específicas, interação entre homens e máquinas, grau de confiabilidade humana, estresse originado no ambiente profissional, origem da concepção de pessoa-sistema e o treinamento pertencente a projetos envolvendo seres humanos e sistemas.

De forma direta, podemos definir este tipo de ergonomia como sendo o aspecto responsável pela análise e intervenção em questões que possam influenciar o nível mental dos colaboradores.

A busca de medidas para diminuição de fatores de estresse no ambiente profissional é o seu foco.

Exemplo: ações de treinamento e desenvolvimento dos funcionários.

Benefícios no ambiente de trabalho

A eficácia da ergonomia no ambiente de trabalho é alta, fazendo aumentar a satisfação com o trabalho.

Apesar de haver uma especificidade muito grande com relação ao ganhos, dependo da área trabalho, alguns benefícios se apresentam de maneira geral na empresa. Dentre eles destacamos os seguintes:

  • aumento de produtividade;
  • clima organizacional mais favorável;
  • trabalhadores satisfeitos;
  • menores riscos de acidentes e doenças ocupacionais;
  • redução no índice de atrasos e faltas;
  • redução no índice de pedidos de demissão;
  • menores riscos de problemas emocionais (ansiedade, estresse e depressão, dentre outros).

Podemos dizer que o foco abordado é o que diferencia os tipos de ergonomia, mas eles acabam por proporcionar benefícios bem semelhantes.

Saúde, segurança e qualidade de vida são pontos vitais para o ser humano, independentemente de onde esteja.

E a ergonomia, em todas as suas esferas, é capaz de otimizar e mudar o ambiente onde o ser humano se encontra, sempre buscando os melhores benefícios.

Lançar mão da ergonomia pode ser fator decisivo para o bom andamento das atividades de seus colaboradores e de sua empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *