Por que a adoção de compliance é crucial para seus negócios?

Por que a adoção de compliance é crucial para seus negócios?
Adoção do compliance em seus negócios

O tema compliance é sem dúvidas um assunto delicada e de extrema preocupação nas organizações.

Os desdobramentos que a falta de atenção à este assunto pode provocar nas empresas podem impactar diretamente sua saúde.

Perdas financeiras e de credibilidade em mercados cada vez mais competitivos podem representar a derrocada de um sonho para empresários e seus colaboradores.

Para que isso não ocorra é importãncia que você entenda o que é o compliance, de que forma influencia seu negócio e quais cuidados precisam ser tomados para sua adoção.

Continue a leitura deste artigo e descubra todos os detalhes necessários para compreender os riscos aos quais as organizações podem ser submetidas.

O que é compliance?

Compliance é uma palavra inglesa, originada do verbo to comply que significa conformidade. 

Transpondo para o universo dos negócios compliance se refere à um padrão básico, onde são tomadas ações para garantir a prática de relações transparentes e éticas entre empresas, com foco no cumprimento de legislações e regulamentos internos e externos.

O surgimento do compliance

O surgimento do compliance data da virada do século XX, a partir  da criação do Banco Central americano, com o objetivo de ser um ambiente com maior flexibilidade, segurança e estabilidade.

Também nos Estados Unidos, porém na década de 70 surge a lei anticorrupção transnacional, Foreing Corrupt Pratices, endurecendo penas para as organizações americanas que tivessem envolvimento com corrupção fora dos EUA.

Após o surgimento de escândalos de corrupção relacionados à governos e empresas privadas, espontaneamente, várias organizações passaram a adotar as práticas de compliance, sendo bem recepcionados pelo mercado. 

No Brasil, conforme a Associação Brasileira de Bancos Internacionais, 1992 foi o ano em que o assunto se destacou com a abertura do mercado para propagando do governo Fernando Collor.

A partir daquele momento o Brasil passou a se adequar à padrões éticos e para combate à corrupção.

A competitividade entre organizações transnacionais direcionou este movimento.

Compliance e sua importância

Empresas, públicas ou privadas, com o mínimo de organização exercem suas atividades sob a ideia de execução de processos por pessoas.

E são as pessoas os elementos responsáveis pela atenção dispensada ao cumprimento das regras que a sociedade exige.

Assumir atitudes respeitosas, transparentes e que permitam a melhora nos processos de produtos e serviços oferecidos, com valores agregados tem se tornado um modelo de referência para as empresas.

Por isso o compliance precisa ser compreendido como elemento necessário e exigência legal, evitando perdas financeiras, morais e institucionais.

Adotar um modelo que permita a prática da gestão de compliance se tornou obrigatório, levando as empresas a cumprir com suas responsabilidades, através de programas consolidadores de valores e políticas promotoras de padrões éticos e de integridade.

O caráter desses programas deve ser preventivo com o objetivo de evitar ações corruptas e antiéticas, assim como antevendo medidas de correção de atitudes que não estejam em acordo com seus princípios organizacionais.

Neste cenário a compreensão de compliance é obrigatória para permitir a sobrevivência das organizações, independentemente de alcance, estrutura, segmento, objetivo e público.

Aplicação do compliance

A eclosão de várias operações para desmanche de engrenagens de corrupção e promulgação de leis fez com que este tema se tornasse presença comum no vocabulário e cotidiano de empresas e profissionais.

E sua aplicação demanda algumas ações e cuidados que podem ser adotados da seguinte maneira:

  • Elaboração de código de conduta, que apresente uma linguagem acessível;
  • Disseminação aos colaboradores e funcionários da importância do cumprimento dos padrões estabelecidos neste código, com ações exemplares tomadas em sentido vertical, vindo do gestor principal para os demais membros, deixando clara a necessidade de a empresa agir de forma impecável;
  • Criação de canais internos para denúncias, através dos quais os funcionários consigam comunicar a desconformidade de alguma atividade com os preceitos pregados pela organização;
  • Deixar claro que além do rigidez quanto ao cumprimento de seus regulamentos, a empresa não se permite envolver com ações legais, mas que possam ser questionáveis sob o aspecto moral, assim deixando claro sua imagem de integridade e idoneidade.

O movimento de integração do compliance à cultura corporativa das empresas não teve início devido à Lei Anticorrupção.

Porém apresenta vantagens para as empresas mantenedoras de um departamento dedicado ao tema de forma estruturada, nas situações de enquadramento nos crimes que a lei aponta.

Portanto é necessário garantir que o monitoramento das ações da empresa sejam garantidos e isso pode ser realizado através de revisões periódicas, considerando a análise de riscos socioambientais e jurídicos, promovendo revisões e adequações e ações mais específicas em setores com maior sensibilidade e risco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *